Eletra apresentou nova versão do “Dual-Bus”

O último sábado, 23 de setembro, foi o último dia do 13º Salão Latino-Americano de Veículos Híbrido-Elétricos. Referente a transporte coletivo, apenas a Eletra e a BYD levaram veículos ao evento. No entanto, nenhum dos dois eram novidades.

O veículo da Eletra já havia participado de edições anteriores do evento como veículo de transporte de visitantes. Para 2017, o veículo veio remodelado. O ônibus, que tem chassi Mercedes Benz O500U e carroceria Induscar Caio Millennium III. Agora, ao invés de ser somente um veículo híbrido, ele é mais um modelo de “Dual-Bus”. Nessa versão, o veículo pode operar com uma das duas tecnologias:

Híbrida, onde o motor a diesel gera energia para o motor elétrico tracionar o veículo. Neste modo, a economia no consumo de diesel é de cerca de 30% menos em relação a um ônibus a diesel comum;
Elétrica Pura, quando o motor elétrico é tracionado a partir de energia elétrica acumulada nas baterias.

Na edição de 2015, o “Dual-Bus” era com as tecnologias trólebus e elétrica-pura. Os dois ônibus pertencem à Metra, operadora do Corredor Metropolitano ABD.

Operação – Nas duas formas, as baterias podem ser recarregadas durante a operação do veículo. A recarga ocorre durante as frenagens graças a um sistema denominado “Kers”, sigla em inglês que significa “Sistema de Recupeção de Energia Cinética”. Nesses momentos, o motor elétrico é acionado e a energia que seria disperdiçada na frenagem é reaproveitada e armazenada nas baterias do veículo.

Segundo os técnicos da Eletra, uma das vantagens é que este veículo não possui peças específicas para ele. Qualquer peça encontrada no mercado pode ser utilizada em sua manutenção.

Baterias – Questionamos os técnicos da Eletra a respeito da possibilidade das baterias serem financiadas a parte do veículo. Este item é um dos que mais encarece o preço de aquisição do veículo. Nos foi dito que esse tipo de financiamento só seria possivel caso algum banco de mercado o faça.

O ônibus possui capacidade para 82 passageiros, sendo 27 sentados e 54 em pé mais um box para cadeirante. O motor elétrico foi desenvolvido pela WEG e o a diesel pela Mercedes Benz. Ele estava operando no corredor Diadema-Brooklin, da EMTU, operado pela Metra. Agora, depois da exposição, o veículo ficará em testes com possíveis compradores por noventa dias.

José E. Sales

É blogueiro desde 2009, primeiramente no extinto “Linha Circular” e, agora, no “Circular Avenidas”. Foi colunista da “Revista Interbuss” entre 2010 e 2015. É um apaixonado por mobilidade urbana, especialmente por ônibus. Também é estudante de jornalismo e quer se especializar na área de mobilidade urbana.
Fale conosco: contato@circularavenidas.com.br .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *