Imobilidade

Uma falha complicou a tarde do usuário da linha 5-Lilás de metrô nesta terça. A empresa responsável pela operação da linha, a ViaMobilidade, não divulgou a causa da falha, que começou às 12h43. Em seu site, ela colocou que a linha operava em “velocidade reduzida” e, no detalhamento, entre “AACD-Servidor e Santa Cruz”. No entanto, a consequência da falha foi sentida em toda a linha.

Enormes filas na Plataforma 2 da estação Chácara Klabin: era a única plataforma para embarque; a Plataforma 1 alternava embarque e desembarque.

Por volta das 18h00 chegamos à estação Chácara Klabin, a estação final da Linha 5. Apenas uma plataforma estava efetuando embarque. O desembarque era alternado entre a duas. Mas os intervalos entre os trens eram enormes, assim como o tempo de embarque. Quando chegava à plataforma, uma composição não saia antes de cinco minutos. Uma senhora nos relatou que resolveu fazer “viagem negativa” (quanto o usuário volta uma ou mais estações antes do sentido para o qual deseja ir para seguir sentado) pois as plataformas do sentido Capão Redondo estavam muito cheias. Chegando em Klabin, ela resolveu descer porque muita gente entrou no trem e ela preferia seguir em um mais vazio. Outras pessoas resolveram esperar a normalização do sistema sentadas nas escadas e no fundo da plataforma.

Para tentar organizar o fluxo, quando um trem fazia o desembarque na mesma plataforma de embarque (a Plataforma 2), agentes da ViaMobilidade se colocavam em frente à algumas portas para abrir passagem para quem descia. Isso não impedia que alguns mais apressados atropelassem quem saia do trem, gerando uma exaltação em alguns momentos.

Abre-se o meio para o desembarque. Quando saem todos, a “muvuca” para o embarque.

Enquanto isso… – …nas demais estações da Linha 5-Lilás, a situação não era muito diferente. Nosso leitor Rafael, no Instagram, disse que seu irmão levou uma hora de Klabin à Moema. E lá, pediram para aos passageiros que desembarcassem do trem. Iniciativas semelhantes ocorreram em outras estações. Segundo o Via Trólebus, alguns trens no sentido Klabin era esvaziados na estação Largo Treze para que pudessem voltar atendendo o trecho Largo Treze-Capão Redondo. O leitor Alfredo nos deixou o relato que levou 1h35 de trajeto, fora os 15min para embarque em Klabin.

Por volta das 20h00, a circulação começou a ter os primeiros indícios de normalização. Os trens estavam circulando com intervalos de cinco minutos mas com paradas mais rápidas na estação Chácara Klabin. Naquele horário o fluxo já havia diminuído.

Depois de quase nove horas do início do problema, a circulação voltou ao normal às 21h32. Mas ainda não foi divulgado nenhum comunicado a respeito dos motivos que ocasionaram falha.

==========

Siga o Circular Avenidas nas redes sociais:

José E. Sales

Estudante de jornalismo e um apaixonado por mobilidade urbana, especialmente por ônibus. Fale conosco: esales@circularavenidas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.