Linha 17-Ouro: Metrô rompe um dos contratos de construção da linha

Na última sexta-feira, 22 de março, o Metrô anunciou a rescisão unilateral de um dos contratos de construção da Linha 17-Ouro. O contrato rescindido é do consórcio CMI, liderado pela empresa Andrade Gutierrez, que era responsável pela implantação da via, instalação do sistema de sinalização e pelos trens. Também faziam parte do Consórcio a Scomi, que fabricaria os trens (e que teria falido), e a empresa AR Almeida.

Enquanto o processo de rescisão prossegue, as obras nas vias permanecem paradas. A decisão do Governo Estadual não afeta os outros quatro contratos: um para a construção do pátio, no Jardim Aeroporto, e outros três para a construção das estações. Eles permanecem vigentes e as obras continuam normalmente.

Agora será necessária uma nova licitação para a escolha da empresa ou Consórcio de empresas que fará a instalação da sinalização e a fabricação dos trens. No entanto, ainda não há prazo para que o processo seja iniciado. Isso compromete o prazo de entrega do modal, previsto para 2020 – sendo que a primeira previsão era para que fosse entregue em 2014 para a Copa do Mundo do Brasil.

==========

Siga o Circular Avenidas nas redes sociais:

José E. Sales

Estudante de jornalismo e um apaixonado por mobilidade urbana, especialmente por ônibus. Fale conosco: esales@circularavenidas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.